domingo, 26 de abril de 2009

Objectivo: Euro-milhões


Os maus hábitos e vícios sociais.Resultado de fraca educação e uma moralidade fomentada pelo antigo regime, torna os portugueses incapazes de discernir o que é e o que não é essencial à sua miserável existência. Faz com que os princípios andem de cabeça para baixo com sorriso amarelo no rosto. E o reduto último é a queixa, piedade senhores, tenham piedade. Daqueles que choram a estupidez em surdina. Clamam a igualdade aos berros e desejam que quem lá está saia, porque eles querem mudança. Eles não sabem o que é mudar. Custa um bocadinho mas com o punho erguido pedem cabeças enquanto a outra mão vai trocando de canal. Atulhados em dividas plásticas de encher qualquer vizinho de inveja.
É um capitalismo destrutivo que ao cuidado de mentes sôfregas e servido a outras tantas ignorantes perverte a prioridade social.

Assim não caro povo.

4 comentários:

Brown Eyes disse...

Aqui há várias verdades intrínsecas. Os maus hábitos e vícios sociais, a meu ver, são resultado de uma mentalidade limitada. Não sei se já leste Eduardo Lourenço, O Labirinto da Saudade, se não fá-lo logo que tenhas oportunidade, analisa a mentalidade Portuguesa comparando-a com várias Europeias. Somos um Povo de aparências e daí advêm vários problemas. A questão da queixa, é a única arma real que tem porque todas as outras são imaginárias, como o exemplo das regras (leis), não fere mas alivia. Lutar cansa, os frutos não são nenhuns já que esta sociedade valoriza os espertos, não os inteligentes. Quando há mudanças, servem apenas para beneficiar, mais ainda, os espertos e, esses, nunca são punidos, por mais voltas que dêem ninguém os consegue punir. Os cartões são mais uma das ilusões, enquanto paga e não paga, o Zé Povinho vive feliz. Depois vêem os baldes de água fria mas, no dia seguinte, há logo um telefonema, de um banco qualquer a prometer mundos e fundos e, o Zé Povinho, com aquele cérebro de galinha, acredita que está a receber um prémio, que é mais um milagre de Fátima. Depois lá vem o subsídio, ou até o banco alimentar, a salvar uma situação ruinosa. Assim vai vivendo quem tem olho, vive facilmente e bem, com carros de alta gama, eu a trabalhar, apertando o cinto, a lutar, cheia de sacrifícios. Vivo em Paz mas revoltada contra uma sociedade onde a liberdade existe para o prevaricador e eu vivo presa a regras, normas, regulamentos, princípios, que parece terem só sido feitos para mim e mais meia dúzia.

PP_FANTASMA disse...

Chama-se a isso falta de valôres!

Brown Eyes disse...

Voltando ao euromilhões, dava-me um geitão e esta semana esteve quase. Só me faltaram 2 numerositos, foi mesmo ao lado. Era uma maneira fácil de poder fazer o que quero, a trabalhar neste país não se faz fortuna. Ora e para que eu queria a fortuna? Apenas para não ter que cumprir horários, para escrever aquele livro com que há tanto sonho, para visitar aqueles países de sonho, para ajudar outros a poderem ser livres.Os Portugueses honestos sonham com o euromilhões, os outros estudam aldrabices.

R.I.P.per disse...

Brown Eyes,parabens,bom resumo do q é ser um portugues mediocre.