sábado, 26 de dezembro de 2009

Natal...


Com as horas empedrenidas pela ânsia dos pequenos e os doces a liquefazerem-se por entre as gengivas macias dos anciães ,fluindo pelo sangue gordo sob olhar atento dos jovens adultos responsáveis. Assim se esperava o Natal na minha terra.
-Só à meia noite. - Dizia em tom conservador.
E os minutos passavam cada vez mais densamente enquanto os pequenos se afundavam em cadeiras altas de conformismo retorcido.
-Só à meia noite. - Dizia ela com olhar esgazeado, enquanto se esforçava para retezar o temperamento.
-Tem fome avozinha? - A velha sobre ergueu a sobrancelha. Era a última instância da afirmação.
-Se queres matá-la porque não lhe espetas uma faca no coração? Ou a sufocas com uma almofada enquanto dorme? Era um gesto de misericórdia. Algo inédito vindo de ti, porém uma forma mais humana de morrer, em vez de entupires o raio da velha com essas porcarias cheias de açúcar. Ou queres cegá-la ,privando-a de ver com os seus próprios olhos o uso que dás às tuas carnes desprovidas de pudor? - Dito num tom irónico, afiado com a mais banal das crueldades.
Nisto a vergonha tomou conta daquelas paredes e acabou por condensar em silêncio.
-SÓ À MEIA NOITE. - E deixando-se controlar pela ira, distribuiu selectivamente pelas faces marmóreas um bom par de estalos que ecoou pela divisão e fez acalmar as ingénuas almas rebeldes que ainda se inquietavam com ânsias.
-Meninos... e meninas. Quero-vos aqui. Na..na..não. Aqui ajoelhados ao pé do menino Jesus. - Obedeceram sem excepção. - Agora façam uma pequena retrospectiva por favor. Pensem lá bem se foram fieis a tudo aquilo que aprenderam na catequese. Se a vossa consciência não pesar, pois que às 00:00 horas em ponto estiquem o braço e abram as prendas com o vosso nome. Caso contrário devem levantar-se e ir imediatamente para a cama de mãos vazias. Compreendem? - As crianças compreendem e as mesmas crianças não arredam o pé, um centímetro que seja. - Muito bem, vejo que estes anjinhos servem o interesse do Senhor. - E dito isto, espalha um sorriso estreito que dá a volta à sala, triunfante.
-Esperem, ainda não, só quando eu disser. Pronto, abram lá.
E eles abriram e fora-lhes dada ordem imediata de recolha.
A miudita mais pequena fica para trás a olhar para o resquício enevoado de ser que era a sua avó. Com um olhar triste e pesado, a velha, por entre a pele macia dos lábios já nada habituados a articulações dignas desse nome, sussurou de forma indecifrável um "Feliz Natal" enquanto as lágrimas se afundavam nos sulcos do seu rosto.

A expressão da criança arrebatada por um sorriso eléctrico e espontâneo que levou consigo para a cama. Adormeceu com os dentes serrados, para que aquela felicidade se aninha-se dentro dela, aquecendo-a para sempre.

domingo, 13 de dezembro de 2009

A importância da Maria...

Li eu em tenra idade na mítica revista Maria que se arrumasse o meu pénis sempre para o mesmo lado iria fazer com que os corpos cavernosos amolecessem o lado respectivo, tornando a minha erecção desviante. Ou seja, penderia para um dos lados do parlamento. E de facto isso já se reflectia. Sendo eu do centro asséptico não poderia permitir que tal orgão conspurcasse a minha ideologia.

Portanto, homens, segui o conselho da querida revista Maria e hoje sou um homem recto e feliz.

sábado, 14 de novembro de 2009

Sei lá...

Fechada em casa e impossibilitada de usar o espelho de Narciso, afunda a mão na cara húmida e recorda as acções que a tornam miserável.
Era normal culpar o mundo à sua volta e por outro lado, este, assim também retribuía.
Com as mãos abertas frente à grande lareira de pedra, deixava as lágrimas cairem no mosaico quente e desaparecerem.
Os dentes rangiam e as unhas cravavam-se na carne exposta dos braços, fazendo brotar gotículas de sangue rubro. Levou as feridas aos lábios e com a ponta da língua começou a lamber. Na lareira ficaram as brasas e o lume acendeu-se dentro dela. Pegou no cabo de uma faca de esfolar que estava ali por perto. Colocou-a em frente aos olhos enquanto fazia deslizar os dedos longuineos, primeiro ao longo da lâmina, terminando por envolver o cabo com a sua mão de púlpito.
Levantou-se.
Viu ao longe alguém a cavar duro na terra que um dia a há-de tragar com acolhedora maravilha.
Apertou o peito com força até criar duas auréolas de leite no vestido de dormir branco. Transparente de tanto uso, roto de tantos abusos.
Com a mão pousada na película vítrea da janela e com o vestido seguro pela anca, respira fundo e deixa que a corrente de ar húmida e agreste que vem lá de fora lhe beije a vagina, semi-aberta e orvalhada. E em seguida, com a faca empunhada corta pela raiz uma mão cheia de pêlos púbicos. Procura numa gaveta um alegre lacinho vermelho com que envolve os lustrosos pêlos e detem-se, palma da mão encostada ao vão da porta do quarto dos seus pais.
Entra e ajoelha-se junto à cama, uma mão no recato das duas grossas coxas e a outra na cara a varrer as lágrimas que logo de seguida desmaiou até ao peito cheio, a madeixa repousada na candura dos lençóis.
Quando acabou, virou as costas e os olhos para outra realidade que não aquela, benzeu-se antes de sair, e havia reparado, com um sorriso, no doce aroma a pecado que os seus dedos mantinham, ao desenhar em si a trindade.



sexta-feira, 25 de setembro de 2009

Coeficiente de mediocridade...


CM=AC x VC / NPP

CM-coeficiente de mediocridade
AC-anos que o sonho de ter casa própria perdurou até se tornar realidade
NPP-número de pessoas próximas

Isto é, com válida base científica, a equação para descortinar o coeficiente de mediocridade de um indivíduo.


Agora um assunto completamente off topic, é que segundo o ministério da saúde afinal, e pelo tom faz-me perceber que não passa de um mero acaso, afinal ainda não morreu ninguém em Portugal de H1N1 o que é um alivio e uma feliz constatação de que os panfletos que ensinam o cidadão comum (iliterado) a lavar as mãos como deve de ser, são eficazes. Todo um exemplo de como agir de forma a que a mensagem passe de forma clara.

E agora faço aqui nova ressalva, no caso não desviante; é todo um poderio estratégico, em termos de campanha eleitoral, que se perde aquando os delegados de propaganda médica não são usados nessa mesma campanha eleitoral. O H1N1 já ganhou, nas calmas.

sexta-feira, 18 de setembro de 2009

Informação...


No jornal da noite da RTP fiquei a saber montes de coisas importantes; que o CDS comeu bacalhau à Zé do Pipo no mesmo restaurante que a caravana eleitoral do PS; que Paulo Portas pagou cafés a gente da rua; que os desempregados são pessoas como nós mas com menos sorte; etc.

Eu tenho sorte em estar a trabalhar, não é uma questão de cunha, mas de sorte, já que a cunha implica umas quantas movimentações.

E pronto, uma mensagem subliminar da RTP que mais não significa que o governo nada tem que ver com o factor alarmante do desemprego em Portugal mas vai mais longe ao desresponsabilizar os portugueses que se encontram, coitados, na situação de desemprego. Ainda não chegámos ao desplante fascista italiano mas ouvem-se passos rectos no escuro.

terça-feira, 15 de setembro de 2009

A pia e os porcos...


Já há algum tempo que a inércia e o cansaço me impediam de escrever aqui neste lugar, e lugar é tão mais belo que sítio, devo dizer.
Ora bem... o que se passa é que as eleiçoes legislativas estão ai à porta. Provavelmente nem poderei votar e se votar é um voto para a hipotética confiança que tenho na democracia, e eu não tenho essa confiança, mas o voto não deixa de ser a única arma de que, pessoas civilizadas e sem influência em qualquer lobby, dispõem. Assim sendo, e caso tenha disponibilidade e paciência para erguer a minha arma democrática deparo-me com a seguinte pergunta : - Em quem devo votar, Sócrates ou Manuela ? ( Eu sei que há mais. )

Votaria em branco, enfim, mas caso achasse que o meu voto devesse ser útil, entraria num dilema profundo ao qual dificilmente encontraria o fio à meada. E por isso aqui vos deixo um conselho de uma pessoa sábia que vale o que vale:

Os politicos são como porcos e o poder como uma pia cheia de comida podre, troquem-se os porcos e os novos que virão, virão sedentos.

terça-feira, 18 de agosto de 2009

A fantasia sexual...

Um exemplo clássico, mas aqui com uma forte carga de erotismo e sem a vulgaridade do porno (o que se lamenta).
Especula-se da autencidade do video, uma dona de casa muito safada que decidiu gravar o flirt ao pobre do canalizador ou um casal a reproduzir uma fantasia tão comum?

domingo, 19 de julho de 2009

uma coisa qualquer tem mais beleza...

Sinto-me tentado a descer à tua humidade promíscua e por la permanecer um tempo sem fim. Com os olhos toldados, com as vistas curtas e o pensamento longe da língua. Um tempo sem fim que se percepciona rápido. Para mim pelo menos. Ou para ti, ou não sabemos, daí a ser infinito enquanto dura. Sei que quando estou por entre as tuas pernas, não estou. Já nem sequer posso dizer que estou farto de conter a respiração. Não estou, já não me dou ao trabalho. E tu tornas-te rídicula aos meus olhos e eu torno-me rídiculo aos meus. Sim porque há capacidades de entendimento diferentes. Se eu quiser sou sempre fantástico, mesmo quando me sinto um miserável. Maravilhas da retórica. Já tu... não te acho com capacidade para o seres, miserável digo. Considero a miséria interior um dom subversivo. Aliás, encaro-a quase como uma meta. Uma espécie de estado Zen ao contrário. Provavelmente mais construtivo. Provavelmente mais rico. É a especie humana, miserável,digo.
Porem pouco conscienciosa do dom que tem entre mãos. A exaltação da miserabilidade. O orgulho que devia trazer ao Homem. A miséria como bandeira.

O autêntico.

quarta-feira, 1 de julho de 2009

Era uma vez um tipo...

-Pode ser que lhe acerte primeiro no braço. Ou numa perna. Não será fatal. Acertei na cabeça. Vamos lá ver o cérebro do tipo. O homem ainda estrebucha. APONTA!
-Sim senhor,é pra já senhor.
-A bala entrou pela nuca, destruindo o tecido cerebral num ângulo de 30º, paralelo ao solo, saindo pela órbita esquerda. Perda total do globo ocular direito. Apresenta sinais vitais.
-COMANDANTE. Senhor!
-DIZ CADETE!!
-Os seus sapatos senhor! Estão em cima da poça de urina.
-Foda-se! APONTA!!! O parasita urinou dois minutos após o disparo.

FIM

quinta-feira, 11 de junho de 2009

técnica de masturbação avançada...


Objectos necessários:

-uma mosca
-uma banheira cheia de água
-espírito progressista

Procedimento:

-primeiro encher a banheira até ficar somente a glande de fora
-em seguida arrancar uma asa à mosca e posiciona-la a não mais de três centímetros da glande

Conclusão:

A mosca irá descrever círculos prazerosos em volta da glande para seu enorme deleite.

Disfrute.

terça-feira, 9 de junho de 2009

Viva a droga e a cegueira...


Algures num lugar perdido no vale do Douro...

Digo eu: -(Comentário depreciativo acerca do Bloco.)
Diz ela: -Mas eu sempre votei no Bloco.
Digo eu: -O que raio te leva a votar no Bloco?
Diz ela: -Então, eles dizem que legalizam a droga.
Digo eu: -Eu nem digo nada. (E abano a cabeça em sinal de reprovação.)
Volto eu a dizer: -Então mas não vês que o Bloco é uma cambada de comunistas desertores com alma marxista intacta, que usam e abusam da propaganda política perfumada com ideias liberais para convencer gente como tu a votar neles?
Diz ela: -Sei lá, não percebo nada dessas merdas, só sei que eles querem legalizar a droga e por isso têm o meu voto.

(Hiato na conversação.)

Digo eu: -Olha,mas sabes que o pai do Louçã, no decorrer da revolução de Abril, e pelo exército ,deu lá uns quantos de tiros a uns quantos de civis que andavam por ali a rebeliar-se?
Diz ela: -Ai foi? Então já não voto mais no Bloco de Esquerda. Tá feito.

quinta-feira, 4 de junho de 2009

O Pianista...


Vi ontem o filme porque tinha ouvido maravilhas do dito. Não é que confie na opinião cinéfila de terceiros, que não confio mas pegando na capa, depressa assimilo os galardões e intuo que se trata de uma obra de qualidade...

O que eu não entendo é porque razão um filme com uma direcção de actores fraca (figurantes apáticos e desfasados e actores imbuídos numa inércia constrangedora) ganha 3 oscares. Mais grave a actuação de Adrien Brody (merecedora de Oscar), inexpressivo, com uma linguagem corporal ridícula.
Os diálogos do filme mais não fazem que cumprir a sua função. As relações humanas são superficiais (o que se reflete na fraca carga dramática do filme, tal facto implica que muitas cenas dramáticas não o sejam porque a falta de background de... e entre personagens não cria a sustentabilidade necessária).
Não achei a fotografia nada de especial tirando um ou dois casos pontuais.
Enredo não existe e se por acaso se vislumbra algo idêntico é 15 minutos antes do termino da película.

Não entendo o fascínio pela obra que me foi apresentada.

quarta-feira, 27 de maio de 2009

o triunfo dos porcos...

Golpe de génio perpetrado pelas farmacêuticas.Esquema montado para criar o pânico entre os cidadãos e governos soberanos levando-os ao abastecimento frenético de antivirais.
É a Nova Ordem Mundial a mexer os cordelinhos (digo eu).

domingo, 26 de abril de 2009

Objectivo: Euro-milhões


Os maus hábitos e vícios sociais.Resultado de fraca educação e uma moralidade fomentada pelo antigo regime, torna os portugueses incapazes de discernir o que é e o que não é essencial à sua miserável existência. Faz com que os princípios andem de cabeça para baixo com sorriso amarelo no rosto. E o reduto último é a queixa, piedade senhores, tenham piedade. Daqueles que choram a estupidez em surdina. Clamam a igualdade aos berros e desejam que quem lá está saia, porque eles querem mudança. Eles não sabem o que é mudar. Custa um bocadinho mas com o punho erguido pedem cabeças enquanto a outra mão vai trocando de canal. Atulhados em dividas plásticas de encher qualquer vizinho de inveja.
É um capitalismo destrutivo que ao cuidado de mentes sôfregas e servido a outras tantas ignorantes perverte a prioridade social.

Assim não caro povo.

quinta-feira, 23 de abril de 2009

Procura-se...

Um outro dia desapareceu-me uma revista do quarto. A Única.
Deitei-me a dormir com ela repousada displicentemente ao meu colo e quando acordei tinha-se decomposto em moléculas ou sigo tragada por um qualquer buraco negro que ali passou, ou, entrando agora no campo do sobrenatural, ter sido levada por uma alma penada com sentido de oportunidade e apetite cultural ou com imensa vontade de se aliviar, nunca se sabe...

ATENÇÃO,NÃO É UM FALSO ALERTA.

segunda-feira, 30 de março de 2009

diálogo entre cabeças...


Quando, solícita, a vagina se te abre ,por trás, como manda a natureza, como o fazem os animais com cio, como uma ameixa fresca e perfumada e tu olhas para o espelho, embriagado na solidão do pretenciosismo sexista ... quando esboças um sorriso malandro e não tens dúvidas e o espelho sorri-te de volta e estás bem contigo, encaras o problema por trás, com antecipação, agarras a carne convicto que ela derreta como manteiga por entre os teus dedos de homem. E espetas com maldade o teu ferro em brasa e bates com maldade e os espasmos e os dedos marcados no rabo dela e puxas cabelos como se estivesses a segurar as rédeas a uma besta. No fim... o esperma a precipitar-se pelo abismo das suas pernas até aos seus pés,cai e fecunda o chão.
Limpas-te e nunca pensaste no conforto que é estar escondido atrás de uma mulher.

domingo, 22 de março de 2009

quarta-feira, 4 de março de 2009

Preguiça...


Sou um ser humano muito preguiçoso e não me apetece,por minha iniciativa,pôr terminum a este espaço.
Como tal decidi adoptar as seguintes medidas.
Passo a citar algumas:

-O Sócrates é gay.
-O Sócrates usa estimulantes sexuais para acompanhar a prestação de Fernanda Câncio.
-O Sócrates é a prova viva de que os chico-espertos chegam longe na vida.
-O Sócrates tem hemorróidas mas é segredo de estado.
-O Sócrates tem um dispositivo electrónico de localização escondido naquela batata.
-O Sócrates não é um menino guerreiro mas faz birra.
-O Sócrates limpa o ouvido com a unhaca do mindinho.
-O Sócrates é um filho da puta.
-O Sócrates leu a Lua de Joana.
-O Sócrates dorme com um Magalhães enquanto a mulher o encorna com ecologistas drogados do Bloco de Esquerda.
-O Sócrates é o Berlusconi português.
-O Sócrates faz colecção dos livros da Anita.
-O Sócrates é o Karl Marx dos salões de cabeleireiro.
-O Sócrates é engenheiro,ponto final.(Toda a gente conhece a conotação negativas dos engenheiros,não sei porque é que ele insiste com a tese.)
-O Sócrates é inteligentérrimo aquando comparado com a Manuela Ferreira Leite.(Isso tem-lhe chegado por isso também não se mata muito.)
-O Sócrates intromete-se na minha masturbação,aparecendo uma imagem sua em flash,com um dedo em riste,aquando me tento distrair com pornografia.

Agora é só esperar que entrem por aí os senhores de bigode e cacetete e me poupem um trabalhão danado.

E assim é bom ser português.

segunda-feira, 9 de fevereiro de 2009

Heart and Soul...



De uma forma sucinta,isto é o verdadeiro significado da Alfa Romeo.
Para os amantes de automóveis,os verdadeiros,os que se deixam levar pela paixão e não por provas de fiabilidade,a Alfa Romeo é,tão somente,o climax,gravado a vermelho vivo na história automóvel,da emoção do amor e da irracionalidade.Sem ela não existiria Ferrari,sem Ferrari não haveria uma Lamborghini.É o coração e a alma desta indústria em decadência.

Por mais bonita e competente que uma nórdica possa ser...na cama prefiro uma latina.

(Isto só para dizer que...independentemente do meu carro andar ou não,é um ALFA ROMEO.E estou bastante feliz com ele,muito obrigado.)

quarta-feira, 4 de fevereiro de 2009

Freeport...


É bonito ver a justiça vir a terreiro branquear o caso.

"Os cidadão são todos iguais mas uns representam-nos,por isso esses não podem estar sob suspeita durante muito tempo."
Citando Cândida de Almeida,procuradora-geral adjunta.
Este discurso da senhora procuradora remete-me para a celebre frase do romance alegórico de George Orwell: "Os animais são todos iguais mas alguns são mais iguais que outros."

Tudo isto mais não é,portanto,que uma feira mediática que afunda o proletariado na sua eterna resignação enquanto a Imprensa faz o Circus,alimenta-se do corpus até ao osso e parte em busca de nova vítima.Até porque é notória a manipulação por parte do aparelho de Estado.

Resta esperar para constatar mais este anti-clímax judicial e media(tico).

domingo, 18 de janeiro de 2009

sofá vazio...


-São como magnetos.
-Perdão?
-Os bares.São como magnetos.
-Sim,de frustrados.
-Mulheres bonitas,frustradas e bêbedas.A minha especialidade.
Ela sorri,ele sorri com um tímido olhar rasgado pela conquista e as chaves caem a seus pés.
-Oh,não deixes que a morte te apanhe.Eu dou-te boleia.
-Quem te disse que queria boleia?-Sorri.-Eu vou para baixo.Agarra-me antes que parta o nariz e te suje o carro de sangue.
E ele agarrou.Trancadas as duas portas,o carro turquesa serpenteou pela estrada ladeada de árvores que se debruçavam para que lá de cima ninguém visse as particularidades do homem.E enquanto agitadas pelo temor do silêncio opressivo que se sumia por entre elas,precipitando-se em direcção àquele carro turquesa...
-Porque paraste?
-Quando tinha quatro anos tive este sonho.Estava numa sala branca e desenroscava lentamente uma garrafa de polpa de tomate,com um largo sorriso nos lábios,a olhar para uma grande lâmpada que pendia do tecto.Quando dou por mim estava tudo escuro e ouço um gemido profundo vindo de longe.A luz acende-se e vejo a polpa espalhada pelo chão.Um crescendo de gritos de reprovação estremecia à minha volta e eu,com lágrimas a cair do rosto,tentava limpar a polpa mas ela não saia de maneira nenhuma.Quanto mais limpava,mais polpa havia espalhada pelo chão.Nas minhas mãos.Na minha roupa.A misturar-se no meu sangue,a ferver dentro de mim.É quando os gritos param e ouço alguém caminhar na minha direcção.Os meus olhos presos nos olhos apaziguadores daquela mulher...volto a olhar para baixo...desaparecera tudo,a polpa desaparecera e a paz regressou àquela sala,fresca,branca como nunca deveria ter deixado de o ser.Aquela mulher tinha um queixo,assim,como o teu.Lindo.
Vês aquela luz vermelha,pulsante?É a minha cabana.
-Vives numa cabana?
-Não,é onde tenho o meu sofá vermelho.O meu covil do pecado.
Ela sorri com um travo de desilusão.
-És casado.
-Prestes a divorciar-me.
O seu olhar ilumina-se.Da-lhe a mão e titubeante mas decidida puxa-o na direcção da tal cabana,que o seu pensamento tratou logo de encher de sonho e esperança.

domingo, 11 de janeiro de 2009

maternidade...


-Lembras-te da ultima vez que viste a tua mãe?
-Não.
-Que idade tinhas quando viste pela ultima vez a Manuela Paredes?
-4.
-Queres falar sobre isso?
-Não.
-Não?Deixa que te diga uma coisa...rapaz,ou prestas "alguma" colaboração Aqui,Agora,para que eu possa voltar para casa,para a minha família,PARA A MERDA DE VIDA DE PLÁSTICO QUE ME FAZ PARECER BEM,aqui...ou tu colaboras ou estás fodido,tu sabes do que falo por isso vou perguntar outra vez com mais calma.Queres falar sobre A MERDA DO ASSUNTO CARALHO?
-Ela...ela estava sentada em cima de uma poça de vómito.Com as pernas cruzadas como...como se estivesse a meditar.
-Ela era uma puta de uma drogada,conta-me algo que eu não saiba...Oh não chores,tu sabe-lo bem.Pronto,desculpa,desculpa...não o devia ter mencionado.Podemos continuar com isto?
-Ela chamou-me.Eu não me quis aproximar.Ela insistiu,ela olhou-me nos olhos e insistiu.Ela nunca fazia isso.
-Nunca insistia contigo?
-Nunca me olhava nos olhos,não como se eu estivesse realmente lá,entende?
-Hum,continua.
-Pegou no Nancy e...
-Nancy?
-O cão.Agarrou-o e fez-me sinal com o dedo."Vem,vem."Eu aproximei-me.Aí,e sempre a olhar-me nos olhos,começou a apertar a garganta do Nancy e mandou-me olhar.Eu disse que não,não...mas ela enterrou os dedos no meu cabelo e fez-me ver aquilo.
-Disse-te algo?
-Disse-me:-Vês?Sentes a brisa na cara?A vida a abandonar esta pobre criatura indefesa?Agora entendes o quão simples é perde-la?Puff...já está.Escuta bem.Podes ser uma merda e ter dado cabo da minha vida,mas és a única merda que tenho.Mantém-te vivo,sim?
-E mais?
-Nada.
-Nada?Não te disse para onde ia?Nada?Apanhou um taxi?Boleia?
-Não sei,fui para o quarto e nunca mais a vi.
-Ok,acabamos por aqui.Levem este puto daqui,TIREM-NO DAQUI.

segunda-feira, 5 de janeiro de 2009

ABJECÇÃO


Foi como um movimento solitário,perdido no arquear circense de rosto de homem.
Imbuído pelo cheiro do silêncio,corre sem fim,como um cobarde,um silêncio de cetim.
Empalidecem porque riem,tumbas jazem sobre as suas cabeças perpétuas,musgo brota dos seus ouvidos,lábios gastos,esgares nervosos,fatos de fazenda brancos,jardins sumptuosos.
Onde está a tua hipocrisia quando tanto me faz falta?