segunda-feira, 18 de janeiro de 2010

Haiti...


Uma grande tragédia no lado de lá do atlântico. Um esgoto de capital.
Para além do açúcar, pouca mais matéria prima há que sustente a sua economia. O que não atrai grandemente os interesses económicos do primeiro mundo.

É de enaltecer os apoios financeiros que de momento convergem para aquele país destroçado das Caraíbas, mas a médio/longo prazo não vão criar raízes para a auto-sustentação financeira. Os EUA estão bem posicionados para reger e implementar ali as suas politicas mas o interesse irá decair com a falta de "objectos" exploráveis e toda a ajuda de capital dada neste momento, devido à falta de organização normal, aqui exponenciada, será canalizada para muita coisa que não reerguer os alicerces do país.

Por tudo isto, ajudar agora o Haiti é bonito, pode comprar a muita gente um lugar no céu, mas inútil a muitos níveis. E agravará em termos globais a economia.

Abriu o leilão filantropos.

5 comentários:

Brown Eyes disse...

Infelizmente acabaste de descrever a realidade. É pena que o ser humano tenha valor apenas em termos económicos. Pura e nua realidade. Até a comunicação social se aproveita desta desgraça, índices de audiência, materializam-se em dinheiro. Está mesmo aberto o leilão de filantropos.

Gingerbread Girl disse...

Não tou a ver como é que ajudar Haiti vá agravar a economia em termos globais... mas eu também não percebo corno de política. Creio que em cada orçamento de Estado haja um lugar à partida para este género de apoios.

Quanto ao resto, tens toda a razão... se ao menos eles tivessem petróleo... não é?

bjito*

R.I.P.per disse...

De facto tb assim penso Ginger, há de facto varios tipos d fundos governamentais. Ms tb acho q nao ha ajuda humanitaria sem retorno e n vejo retorno q possa vir do haiti. dai q a meu ver piore a economia e cave mais um buraco nos escassos fundos financeiros globais.

Brown Eyes disse...

RIPper como dizes há vários fundos de ajuda. A UE tem o fundo de solidariedade para catástrofes para todo o mundo e um para os estados membros. Os países membros da ONU têm que deixar uma percentagem para estas catástrofes. Os economistas dizem que os países mesmo tendo um deficit orçamental não têm problemas se o PIB desses países oferecer um parâmetro para essas doações. Um país dá 60 milhões mas tem um PIB de 1600, esse país não vai ter problemas financeiros. Para uma análise correcta da questão teríamos que conhecer o PIB de cada país que faz doações e o valor das mesmas. No entanto, conhecendo os dados que nos vão chegando dos problemas económicos mundiais, claro que a economia mundial fica mais comprometida. Sem dúvida. Mas o pior é a economia ficar mais comprometida e os problemas do Haiti não ficarem resolvidos.
Beijinhos

R.I.P.per disse...

exacto,tocas-t na questao fundamental.