quinta-feira, 27 de dezembro de 2007

o paradoxo do último voo da borboleta...



-Amo-te.Mais do que uma nebulosa ama as suas estrelas.Sim,com a mesma grandiosidade.Mais do que a terra seca de Verão ama...não,não...mais do que a terra seca de Verão deseja sofregamente as primeiras gotas da ainda tímida chuva trazida pela monção.
Tu és assim lindo.Talhado pelo cinzel do melhor artista da idade da luz...meu David.E tu?Desculpa,estou envergonhada.Não consigo apagar este brilho que irradia dos meus lábios.Se quando estou contigo os pudesse fechar...não tinha de certeza esta latente e saborosa dor nas bochechas...De ti meu príncipe,não espero nada menos que o paraíso,traze-o contigo,suportado pelas asas.E tu?
-Amo-te.Sabes que sim.
-Mor,eu estive a pensar.Acho que é o nosso momento.Sinto-me aprisionada nesta crisálida que me entorpece o sentido da realidade.Não é esta realidade que eu quero ver,sentir,cheirar,odiar com paixão.Aqui não há paixão para além da nossa.Um outro dia estive a observar.Estava um cão ligado a uma cadela.De costas um para o outro.Unidos pela força da necessidade de criar prol.Entendes o que quero dizer?Olha a tua família...Só tu tens as asas,ajuda-me a voar,vamos deixar este quintal.

Mia e o seu namorado Marco combinaram.Combinaram que dali a uma semana iam ser livres.Combinaram também que iam deixar a velha casca às 3:00 da tarde,junto ao poço abandonado e libertos voar.

Passaram muitos dias,passou um ano,passaram mil.O sol estava preguiçoso.Os seus raios tinham abrandado,com eles o tempo.

Um dia faltava.

Finalmente.

Mia estava em frente ao espelho.Penteava os seus longos cabelos de ébano.O espelho flirtava com ela sempre que ela o encarava,mas não desta vez.Seus olhos fosforesciam.Estava pronta.
Pôs uma mão de cada lado e empurrou as rodas da cadeira com vigor.Adorava aquela cadeira nesse preciso instante.Tinha um curto,mas sinuoso,caminho pela frente,nunca o tinha percorrido sozinha.Todo ele a descer até ao poço onde se elevaria.
Empreendeu por ali a baixo com a loucura que só alguém apaixonado pode entender.Faltava metade,o sorriso rasgava-se...de repente sentiu uma forte pancada do lado direito da cadeira e depois viu o céu.Uma roda tinha-se solto e Mia tinha caído de forma aparatosa.-O que importa?O que importa?-Cravou as palmas das mãos contra o chão terroso.Usava uma saia que mal lhe tapava os joelhos.Não passado muito tempo,já seu sangue se misturava intimamente com a terra.Mas que importava?-O amor é tão mais forte quão mais sofrido,como um majestoso carvalho que pouco depois de irromper do solo,se viu fustigado pelos mais ferozes ventos e agora ei-lo.Assim somos nós meu amor.
Ao dobrar um molho de silvas...o poço.Sereno,com a água a sibilar suavemente no seu coração.Mas nada do seu amado.Com certeza se vira retido por algo.-Ele já vem.Ele não tarda.-Havia-se arrastado até ali e estava exausta mas negava-se a sucumbir ao cansaço.Haviam passado três horas desde que chegara.As primeiras lágrimas mais não eram do que sal à flor da pele.Sete horas passaram e o sangue dos seus joelhos era agora uma crosta sólida.
Mia percebera...não podia ser a borboleta que sonhara e voar por aí,não daquela maneira.Também as pernas da alma se lhe atrofiaram.Passou a mão,com carinho,pela borda rugosa do poço.-Meu amor.-Respirou fundo.Inda lhe restavam algumas forças.

4 comentários:

meldevespas disse...

Quando comecei a ler, confesso que ainda tive medo.....os cães e assim....mas tu és um poeta, por mais que te escondas, tens a sensibilidade de um poeta. Amei este teu voo.
Beijinho

Luis disse...

Mais um grande texto!!! Es um grande escritor! Continua!!! Abraço

Anônimo disse...

:o :o Ripp

desde ontem e nada me disseste -.-...

:| mas tb que posso eu dizer? :\...

Gosto do que escreves, não é novidade,e tb sabes q irei seguir sempre e dizer presente em todos os teus "rascunhos" daquilo que um dia será a tua obra...

Agora, próóóóóóxiimo!

:D

No kisses

Filipa(*)

Anônimo disse...

Já te disse que consegues escrever coisas extraordinárias?? :)
Já, já, já????

É que consegues RIP... consegues mesmo... :)

Mais um grande "UAU" para este ;)

@

Lempicka